O Furacão Carminha

Data da postagem: 10/10/2012 | Nº de Visualizações: 772
Você está vendo uma matéria da coluna: Persona

O fenômeno tomou proporções tão grandes que dia desses saiu na Coluna de Anselmo Góes, em O Globo, uma nota que dizia ter uma família levado ao Doutor Paulo Niemayer uma senhorinha para se consultar e o requintado Mestre da neurologia, para testar se a mesma estava em plenas faculdades mentais, fez a seguinte pergunta: “A senhora conhece a Carminha?”. Adriana Esteves simplesmente é o máximo e acaba de chegar ao apogeu da fama e do estrelato com a sublime interpretação de uma vilã que talvez não chegue aos requintes de crueldade de Odete Roitman (a mãe da vilania televisiva em Vale Tudo), mas certamente está no inconsciente coletivo das pessoas, gerando até tese de mestrado em cadeiras de ciências humanas.
 

Há muitos anos não se vê uma vilã como Carminha, que representada por Adriana transformou a novela AVENIDA BRASIL, que está em sua reta final, em uma unanimidade de audiência. Em determinada cena, que mostrava a revanche da personagem malvada, que foi submetida a humilhação publica ao ter os cabelos cortados, escurecidos em requintes de crueldade com a alma feminina, por parte de sua antagonista, e que, por isso, acabou amada nas ruas pelo público (vai se entender a psiquê humana?), o folhetim marcou 45 pontos de audiência (cada ponto equivale a 60 mil domicílios, índice não alcançado nem mesmo pela antecessora Fina Estampa com outra vilã de arrepiar, Tereza Cristina, interpretada por Cristiane Torloni (aquela que jogava cobras dentro de carros e empurrava suas vítimas da escada).
 

Adriana Esteves, já declarou diversas vezes que o papel é um “doutorado” com disciplinas sobre a psiquê humana e um estudo sobre as vilãs do cinema dos anos 1950 e a sociologia da nova classe média brasileira. “É a minha tese de cientista”, ela explica. “Com voz rouca e rosto abatido, Esteves conta que a jornada diária de trabalho tem durado até 12 horas.”  Mas estou aqui para falar da minha jóia rara, a Carminha”, define, talvez para evitar que o relato sobre a carga horária soe lamentoso.
 

Apontada como uma das profissionais mais responsáveis da TV Globo, Adriana Esteves já sente saudades da novela que está por terminar este mês.
 

Poderosa dentro e fora da telinha, a atriz, que está em excelente forma física e completando 43 anos em dezembro, caminha sempre na orla de São Conrado, de barriga de fora e com muita concentração. Com os cabelos loiros mais uma vez, na reta final da trama de João Emanuel Carneiro, ela confessa que está adorando a imensa repercussão do folhetim. “Tem sido um barato, tem muito homem que me para e diz que não via novela e que agora está vendo. Alguns dizem que trocam até o futebol para ver Avenida Brasil. Antes de a novela começar, as pessoas me diziam: ‘Prepare-se para ser odiada’. Mas estou achando até que as pessoas estão curtindo a Carminha” diverte-se a atriz confessando, ainda, que já está sentindo saudade da novela mesmo antes de chegar ao fim e que curtiu muito fazer uma megera com tanta repercussão. 
 

   

"Tem sido um barato tem muito homem que me para e diz que não via novela e que agora está vendo. Alguns dizem que trocam até o futebol para ver Avenida Brasil."


“Uma vilã pode falar as barbaridades que quiser. E eu não critico a Carminha. Tenho de me jogar na personagem, e é isso o que eu fiz ! Meu lema é: vou me jogar! O meu psiquiatra é, sem dúvida, uma das pessoas que me ajudam a compor meus personagens”, diz Adriana, quando questionada se leva seus personagens para o divã.
 

Apesar de Carminha ser a grande vilã da história, ela tem um traço de humor e também um lado bom, verdadeiro, pelo sofrimento a que foi exposta na infância. Adriana defende a personagem dizendo que ela tem humor, tem boas tiradas, é esperta e sempre está ligada em tudo. “ Acho que o humor está ligado a uma coisa que é trágica, engraçada mesmo. A Carminha tem inteligência, é ardilosa e tem humor como qualquer pessoa inteligente. Ela é uma personagem rica de ser trabalhada e espero que, até o final, seja compreendida por todas as suas ações e caia ainda mais no gosto do público que já a ama. Quero que eles continuem a assistir todos os dias e delirem com as cenas de Carminha. É preciso entender que as maldades estão ligadas a questão de sobrevivência dela, de onde ela veio. Ela é uma sobrevivente de toda sua história de vida.


"Uma vilã pode falar as barbaridades que quiser. E eu não critico a Carminha.Tenho de me jogar na personagem, e é isso o que eu fiz! Meu lema é: vou me jogar!"




Por ser uma antagonista, ainda mais de uma novela do horário nobre, o ritmo de gravação é bem intenso. Perguntada se acredita que Carminha é a personagem que esteja lhe exigindo mais até hoje, se comparada com tantas outras, Adriana é honesta em responder: “ Não sei te dizer se é a que mais exige. Porém, está puxado. Se me perguntar se estou gostando?
 

Estou adorando! Tenho que imaginar coisas difíceis, coisas essas que a gente queira fugir, que não gosta nem de pensar, nem de imaginar. E faço isso para dar vida a Carminha. Mergulho fundo no mundo dela e estou disposta dar a cara para isso. Estou disposta mesmo a prestar atenção nisso. Não quero colocar nada para baixo do tapete, mas te respondendo, nesse sentido é pesado sim.

Compartilhe este materia:

Deixe seu comentário:

Curta você também nossa página no facebook

Acesse nossas redes sociais

Rua Domingos Ferreira, Nº102/501 - COPACABABA - Rio de Janeiro - Brasil
Tel: (21) 2135-0977 / 3093-2024
Copyright © 2012 - Cariocas "o jornal que é a sua praia" | Todos os direitos reservados.